quarta-feira, 1 de julho de 2009

ABSTINÊNCIA

Um organismo que, por 40 anos, foi alimentado, de hora em hora, por nicotina, ao se ver, subitamente, privado dela, adoece. Parar de fumar é deixar-se adoecer. Este organismo, assim sem nicotina, não é semelhante a outro virgem dela. Custa tempo e dor a desintoxicação. Somente quando a pessoa esquece, de fato, que não fumou há dias, meses, é que pode considerar-se não-usuária; porque dependente será até o fim de seus dias. A dependência é incurável em qualquer caso. O não-uso segue sendo um martírio. Não há glória nem graça nenhuma nessa experiência, de resto, vivenciada por tantos infelizes, todos os dias, em todos os lugares. Comemorar o quê? Melhor é nunca ter começado e, nesse caso, não há festejo. Não há festas para o inexistente.

4 comentários:

noemi disse...

gostei muito deste blog!

jan marc disse...

Fico feliz por ter conseguido parar de fumar - parei há 8 anos e não me arrependo nem um pouco - mas fiquei muito mais contente de ter persistido ao buscar por informações suas na web! Quero manter contato. Sinto falta dos seus textos e da sua amizade sincera. Abração Jan jmclima@superig.com.br cel.:93906420

jan marc disse...

Faria sentido comemorar não ter sofrido nenhum acidente de carro por nunca ter se permitido entrar em um ou por não ter pego nenhuma doença venérea como consequência de nunca ter tido uma relação sexual? Na minha opinião este tipo de data deve ser comemorado, não com festas e champagne mas com reflexão (e champagne também se for o caso), pelo simples fato de que vencemos o que nós mesmos considerávamos difícil. É como passar por uma prova de matemática - ou de língua portuguesa - conseguindo superar o obstáculo tido como intransponível. Cara, faz um bem para o ego... Jan

Rafa disse...

Eu fumo.